Precisamos falar sobre traumas psicológicos
24 de janeiro de 2018
Psicoterapia reequilibra atividades cerebrais saudáveis de pacientes que sofreram traumas psicológicos
24 de janeiro de 2018

Excesso de tecnologia pode levar jovens à maior incidência de traumas psicológicos

Insônia, isolamento, depressão e irritação são alguns dos sintomas de que algo não vai nada bem para os dependentes da vida virtual

Um dos maiores problemas “encobertos” de saúde mental da atualidade é o excesso de tempo gasto por crianças e adolescentes frente aos celulares e tablets, em contato, muitas vezes, com supostos amigos e diversões de redes sociais. Ocorre que o hábito pode vir a tornar-se uma adicção, ocupando muito tempo livre e comprometendo a vida escolar, familiar e social desse público mais jovem.

Mas e os pais e responsáveis pelos menores? Familiares e genitores, pressionados pelos afazeres, pela profissão e pela pressa do dia-a-dia tendem a ignorar o comportamento dos filhos. E não é raro que rotinas assim desencadeiem sintomas como isolamento, insônia, agressividade, apatia, depressão, entre outros.

O mergulho na cultura tecnológica e o excesso de informações, de forma contínua, podem ter um preço. A alta exposição às tecnologias virtuais tem potencial de levar a alterações neuroquímicas e à perda de massa cerebral, assim como à dificuldade de concentração em ações simples como ler um livro ou conversar com alguém.

Conhecido como ‘cérebro de pipoca’, o distúrbio é nada menos que o analfabetismo emocional – a dificuldade de uma pessoa em ‘ler’ expressões faciais, emoções, e mesmo diferenciar manifestações na voz, olhar ou postura de alguém. Essa situação aumenta a vulnerabilidade de crianças e adolescentes ao trauma psicológico.

Profissionais de saúde, educadores e pesquisadores têm se dedicado a estudar o fenômeno. Um deles é o psicólogo clínico e neurocientista Julio Peres, que defende o uso da psicoterapia para orientar jovens e núcleos familiares, promover o reequilíbrio da qualidade de vida e atividades que favorecem expressões neurofisiológicas saudáveis.

“Jovens vítimas do analfabetismo emocional são significativamente mais vulneráveis ao trauma. A interação com a máquina não substitui as relações interpessoais e afetivas que os seres humanos necessitam para o desenvolvimento sadio da personalidade”, explica Julio Peres.