Estudo Investiga Atividade Cerebral de Médiuns Durante Estado de Transe
9 de fevereiro de 2018
Traumas e Fobias podem atrapalhar relacionamentos e o crescimento pessoal
9 de fevereiro de 2018

Enfermidades figuram entre os principais eventos traumáticos

Muitas pessoas diagnosticadas com Câncer buscam a psicoterapia como suporte para lidar com a doença e o tratamento

São numerosos os acontecimentos que podem configurar traumas psicológicos e, em muitos casos, estão ligados a enfermidades como Câncer, AIDS, amputações, hospitalizações, entre outras. Muitos pacientes, quando se deparam com um diagnóstico de uma doença grave, têm buscado a psicoterapia como caminho para atravessar situações potencialmente traumáticas e voltar a qualidade de vida satisfatória.

“Temos observado em nossa clίnica um número crescente de indivíduos acometidos por enfermidades como o Câncer e internações hospitalares que buscam ajuda especializada”, afirma Julio Peres, Psicólogo clínico e Doutor em Neurociências e Comportamento pelo Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. A caracterização ou não do trauma psicológico dependerá do processamento cognitivo do indivίduo acometido pela enfermidade. Assim, experiências potencialmente traumáticas podem criar oportunidades de crescimento pessoal através da introdução de novos valores e perspectivas para a vida. Essa atitude de desenvolver novos interesses e objetivos de vida após o trauma é um dos cinco fatores do crescimento pessoal. Os outros fatores que podem agir de modo independente ou paralelamente são: apreciação e valorização da vida, melhor relação familiar e interpessoal, resgate/fortalecimento da religiosidade e espiritualidade no dia-a-dia e descoberta de força e recursos pessoais para superação de adversidades.

“O trauma se relacionada com o imponderável. Muitos pacientes chegam ao consultório desestruturados emocionalmente, sem expectativa de futuro e se sentem incapazes, fragilizados e com medo do que pode acontecer. Durante a psicoterapia as pessoas atribuem significados a angustia e em seguida percebem que podem ajudar não só a si mesmos, mas também aos que estão ao seu redor”, conta Julio Peres. “Isso é importante para o crescimento e fortalecimento pessoal e nos mostra que o sofrimento e o crescimento pós-trauma podem caminhar juntos quando uma aliança de aprendizado é construída, favorecendo a melhora da qualidade de vida.”

Curriculum Julio Peres

Psicólogo clínico e Doutor em Neurociências e Comportamento pelo Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. Fez Pós-doutorado no Center for Spirituality and the Mind, University of Pennsylvania e na Radiologia Clínica – Diagnóstico de Imagem pela UNIFESP. Autor de estudos que investigaram os efeitos neurobiológicos da psicoterapia através da neuroimagem funcional (Psychological Medicine 2007 e Journal of Psychiatric Research 2011). Pesquisador do Programa de Saúde, Espiritualidade e Religiosidade (PROSER) do Instituto de Psiquiatria da Universidade de São Paulo e Professor Titular de Psicotraumatologia Clínica do Hospital Pérola Byington. Autor de artigos científicos sobre psicoterapia, espiritualidade, resiliência, superação e dos livros “Trauma e Superação: o que a Psicologia, a Neurociência e a Espiritualidade ensinam” editora ROCA (www.julioperes.com.br), e “Neuroimaging for Clinicians: Combining Research and Practice” Ed. InTech (http://www.intechweb.org/books/show/title/neuroimaging-for-clinicians-combining-research-and-practice).